quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Odebrecht sai da rodovia para entrar no trem

14/12/2010 - Portugal Digital

O grupo brasileiro Odebrecht vendeu à Ascendi, por 126 milhões de euros, participações em quatro auto-estradas portuguesas, para investir nos projectos do TGV (Trem de Alta Velocidade), na plataforma do Poceirão e na concessão do Baixo Tejo.

A Ascendi é controlada pela construtora portuguesa Mota-Engil e pelo Banco Espírito Santo. Com esta operação, a Odebrecht, que detém a construtora Bento Pedroso, aliena as participações nas auto-estradas da Costa de Prata, Norte, Beiras Litoral e Alta e Grande Porto.

Estas alienações são feitas no âmbito da reestruturação do seu portfolio de investimentos em Portugal, permitindo-lhe, simultâneamente, centrar-se nos projectos infra-estruturantes em desenvolvimento no País, designadamente nos sectores rodoviário, ferroviário e parques logísticos”, anunciou a empresa em comunicado.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Viagem de comboio Pendular até Faro está mais rápida

12/15/2010 - Menos um carro

A partir de agora quem pretender viajar de comboio rápido (Alfa Pendular) de Lisboa/Porto para Faro chegará mais depressa. Devido à abertura ao tráfego da variante de Alcácer do Sal, o percurso pode ser feito a uma velocidade maior, permitindo um ganho de 13 minutos no trajecto para Sul e de 10 minutos para Norte.

De acordo com o Público, este novo troço ferroviário, com 29 km de extensão, reduz o trajecto para sul em menos de sete km e permite ao comboio atingir uma velocidade de 220 Km/hora, razão pela qual a viagem em Alfa Pendular se realiza agora em menos 13 minutos no sentido descendente (Lisboa-Faro) e em menos 10 minutos no sentido ascendente Faro-Lisboa).

A redução do tempo de percurso afecta também a ligação Porto-Faro que anteriormente se fazia em 6 horas e 8 minutos e agora se faz em 5 horas e 55 minutos. No sentido inverso, o ganho também é considerável: dez minutos.

Os comboios Intercidades não partilham dos mesmos ganhos porque continuam a circular pela linha antiga por forma a servirem a estação de Alcácer que fica de fora da variante. Em todo o caso, a razão principal deste investimento de 159 milhões de euros, a cargo da Refer, é o tráfego de mercadorias pois o novo troço integra-se no eixo Sines-Badajoz que tem vindo a ser construído por fases, quer através de novos troços, quer modernizando a linha já existente.

A obra conta com uma nova ponte de 480 metros sobre o rio Sado, três viadutos e 15 passagens desniveladas.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Em 2011, Lisboa terá já 687 pontos de carregamento para veículos eléctricos

11/22/2010 - Carris - Menos um carro

A cidade de Lisboa prepara-se para ser “invadida” por 687 pontos de carregamento de veículos eléctricos. E já no próximo ano, segundo noticiou ontem o jornal Público.

De acordo com o diário, dos 1300 pontos de carregamento de veículos eléctricos que serão instalados em Portugal, 687 serão em Lisboa. O motivo – segundo especialistas – passa por “dar segurança a quem estiver a pensar comprar um dos primeiros carros movidos a electricidade”.

O trabalho de definir os locais onde serão instalados entes pontos de carregamento envolve a Agência Municipal de Energia e Ambiente (Lisboa E-Nova), a EMEL e o Instituto Superior Técnico e segundo o próprio Tiago Farias, um dos vogais do conselho de administração da EMEL, irá modificar a actividade desta empresa.

Isto porque há centenas de lugares de estacionamento na via pública - e que hoje são tarifados - que irão converter-se em pontos de carregamento de veículos eléctricos.

Mais: o surgimento de 687 novos obstáculos nos passeios de Lisboa irá tornar estes locais ainda mais caóticos. Estes passeios que, já por si, estão já tão cheios de parquímetros, sinalética variada e outros equipamentos.

“É desagradável para o espaço público”, admitiu ao jornal Público o director técnico e financeiro da Lisboa E-Nova, Miguel Águas.

“É um disparate neste momento, porque não há procura para isso”, afirma por sua vez Fernando Nunes da Silva, vereador da Câmara de Lisboa com o pelouro da mobilidade.

Segundo Nunes da Silva, numa primeira fase o sucesso dos veículos eléctricos deveria ser feito à custa de sistemas de car sharing, devido ao elevado preço de venda destes carros quando comparados com o preço de um automóvel convencional.

Finalmente, explica o Público, existe ainda o receio de que, a par do esforço para que os novos veículos substituam os convencionais – mais ruidosos e poluentes – no futuro exista uma cidade ainda mais congestionada que a actual.

Ou seja, no futuro, teremos provavelmente uma Lisboa menos ruidosa e poluida. Mas a que custo?

Leia o resto do artigo do Público. 
 

sábado, 20 de novembro de 2010

Governo português anuncia TAV para 2011

15/11/2010 - Portugal Digital

O ministro português das Obras Públicas e dos Transportes anunciou, nesta segunda-feira (15), na Assembleia da República, o início das obras do TGV (trem de grande velocidade) no primeiro trimestre do próximo ano.

"No transporte ferroviário de longo curso, a grande aposta estratégica é que continua a ser Lisboa-Madrid por alta velocidade", disse o ministro António Mendonça, citado na rádio TSF. "Está previsto o arranque das obras no terreno do trecho Poceirão-Caia durante o primeiro trimestre de 2011".

O ministro das Obras Públicas anunciou também que será "assinado hoje um despacho conjunto dos Ministérios das Obras Públicas, Transportes e Comunicações e das Finanças, que visa criar um grupo de trabalho para reavaliar o modelo de financiamento da Estradas de Portugal à luz da conjuntura nacional e internacional".

O ministro disse também que a renegociação do contrato com a Fertagus - empresa concessionária do transporte ferroviário entre as duas margens do estuário do rio Tejo, na região metropolitana de Lisboa - está terminada e que, em 2011, o Estado não pagará indemnização compensatória à empresa.

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Sintra quer implementar sistema integrado de transportes sustentáveis

10/29/2010 - 

A Câmara Municipal de Sintra prevê implementar até ao final do próximo ano o Ecomob – Sistema Integrado de Transportes Sustentáveis de Sintra, visando melhorar as acessibilidades no concelho.

Segundo a Transportes em Revista, o projecto, que está a ser desenvolvido pela AMES – Agência Municipal de Energia de Sintra, tem como objectivo permitir o acesso aos principais pontos turísticos da vila, através de veículos eléctricos.

Neste sentido, uma das principais medidas a ser implementada é a extensão da actual linha do eléctrico, que faz a ligação entre a Praia das Maçãs e Sintra, à estação ferroviária da Portela.

Esta estação, que actualmente é um dos principais interfaces de transportes do concelho, irá também acolher um parque de estacionamento onde os turistas e habitantes poderão alugar automóveis eléctricos e bicicletas eléctricas.

A autarquia prevê ainda adquirir também 10 veículos desta tipologia e prevê criar mais três parques de estacionamento, onde se poderá levantar ou deixar os automóveis, em Colares, Praia Grande e Praia das Maçãs.

A criação de uma rede de mini-autocarros eléctrica, que sirva os principais pontos turísticos da vila, é outra das medidas a ser implementadas no âmbito do Ecomob.

O acesso a esta rede irá funcionar com um cartão único, que depois de adquirido e carregado, permitirá viajar no eléctrico ou no mini-autocarro, assim como aceder aos automóveis e bicicletas, explicou Luis Fernandes, da AMES.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Ecopista com 18 quilómetros vai ligar Póvoa de Varzim a Famalicão

26/10/2010 - Público

A construção de 18 quilómetros de ecopista entre a Póvoa de Varzim e Vila Nova de Famalicão começa no início do próximo ano, num investimento de 3,5 milhões de euros, adiantou o presidente da autarquia poveira.

A estrutura vai percorrer o antigo canal ferroviário que ligava as duas cidades e vai ser financiada, em 60 por cento, pelo Fundo do Turismo, através das contrapartidas da zona de jogo. 

O concurso público internacional vai ser lançado em breve e as obras começam no início de 2011, devendo estar concluídas em 2014, explicou Macedo Vieira. 

São 18 quilómetros de ecopista (ciclovia) que vão ser construídos de forma faseada, uma vez que "o Estado só vai libertar um terço da verba por ano", disse ainda o autarca. 

Além da via, o projecto inclui ainda a "recuperação das antigas estações dos caminhos-de-ferro e iluminação, assim como os acessos a determinados pontos de interesse ao longo do percurso". 

O projecto foi executado pela Câmara Municipal da Póvoa de Varzim mas será seguido pela autarquia de Famalicão para haver "coerência no traçado", explicou Macedo Vieira, adiantando que "será usada a mesma sinalética e linguagem para que a via fique uniforme". 

A ecopista era "há muito desejada pelos dois municípios", porque é um percurso "onde se pode desfrutar da natureza, sendo excelente para a prática desportiva", concluiu o autarca.

http://ecosfera.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1462897

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Lisboa: Ascensor da Glória comemora 125 anos

25/10/2010 - Carris

O Ascensor da Glória, em Lisboa, classificado como Monumento Nacional, celebrou ontem o seu 125º aniversário. Para assinalar a data, a Carris proporcionou aos passageiros uma viagem animada e com algumas surpresas.

Oferta de bilhetes para o Jardim Zoológico de Lisboa e uma actuação da orquestra ligeira da Carris foram algumas das surpresas preparadas para os passageiros que ontem usaram o elevador da Glória, entre as 10h e as 13h, noticia oExpresso.

Há mais de uma centena de anos a ligar a Praça dos Restauradores ao Bairro Alto, o elevador da Glória é, actualmente, um meio de transporte para os habitantes da cidade e um ponto obrigatório para quem visita a capital portuguesa.

Para perceber um pouco a história daquele que é considerado um dos elevadores mais movimentados da capital portuguesa, vale a pena viajar no tempo. O Elevador da Glória partiu de uma iniciativa da Nova Companhia dos Ascensores Mecânicos de Lisboa para fazer a ligação entre a Praça dos Restauradores e o Bairro Alto, tendo sido inaugurado em 1885.

Quando começou a funcionar, o sistema de traço utilizava uma cremalheira e um cabo por contrapeso de água. Eram dois carros ligados por um cabo subterrâneo e que subiam e desciam em vias paralelas assentes ao nível do chão. 

O movimento era determinado pelo peso da água que na estação superior era adicionada à viatura descendente e despejada quando chegava aos Restauradores.

Os carros tinham dois pisos, com o inferior a incluir dois bancos dispostos longitudinalmente, de costas para a rua, enquanto o superior tinha acesso por uma escada de caracol e outro par de bancos. 

No ano de 1915, o elevador - obra do engenheiro português Raoul Mesnier du Ponsard - foi electrificado, pelo que passaram a existir apenas carris em que assentavam os rodados dos carros. 

As primeiras carroçarias eram de madeira, da cor do mogno. O amarelo característico e típico surgiu depois de 1926 quando, por dissolução da sua proprietária inicial, o elevador passou a ser da Carris. 

No vídeo em baixo, aproveite para fazer a viagem de ida e volta no Elevador da Glória e ao som dos Rádio Macau. 





comentar esta notícia | esconder comentários (0)http://www.menosumcarro.pt/Default.aspx?tabid=75&itemId=870&g=58514c57-a516-446d-bb75-aa7aa0a20bc0&utm_source=menosumcarro&utm_medium=twitter

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Quadruplicação da via e remodelação das estações

18/10/2010 - Refer

Em Janeiro de 2008 procedeu-se à Consignação dos trabalhos de quadruplicação da via, entre os pontos quilométricos (PK) 13,750 e 18,250, na Linha de Sintra.
A empreitada foi adjudicada à empresa EDIFER – Construções Pires Coelho Fernandes, SA, pelo valor de 48.480,048 milhõs de Euros, e por um prazo de execução de 1.290 dias de calendário.
Esta intervenção, integrada no Projecto de Modernização da Linha de Sintra, permitirá concluir a quadruplicação da via entre Monte Abraão e Cacém, bem como a remodelação das estações de Barcarena e Cacém.

Estima-se que o final dos trabalhos relativos à quadruplicação da via-férrea e à requalificação das estações ocorra sensivelmente na mesma altura.

O projecto de remodelação da estação de Barcarena inclui a construção de um novo edifício de passageiros, no lado oposto ao existente, sob o qual se situará um silo com capacidade para 585 veículos. O projecto integra ainda uma passagem superior pedonal de acesso aos cais de passageiros, assim como a construção de uma interface de transportes públicos. Será ainda construída uma segunda passagem superior para atravessamento urbano na extremidade das gares do lado de Sintra.
A intervenção na estação do Cacém inclui a construção de um novo edifício de passageiros subterrâneo, no local do existente, a construção de uma passagem inferior que assegurará o atravessamento pedonal urbano e a construção de uma interface rodoviária e de um auto-silo com capacidade para 308 veículos.
Ambas as estações terão novos sistemas de videovigilância, que irão acautelar a segurança de pessoas e bens, nomeadamente nas zonas de circulação.

Com a conclusão destes trabalhos, que completam a Modernização da Linha de Sintra, ficarão também garantidos, em condições de segurança e de conforto para os utentes, os atravessamentos desnivelados pedonais em ambas as estações, sendo suprimidos os últimos atravessamentos/passagens de nível na Linha de Sintra.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Lisboa: Estação fluvial de Sul e Sueste vai ser reinaugurada em 2012

10/11/2010 0 - Carris

A estação fluvial de Sul e Sueste, também conhecida como a do Terreiro do Paço, vai ser reinaugurada em Julho de 2012. Segundo o Público, a obra está a cargo de Ana Costa, neta de Cottinelli Telmo, arquitecto que projectou o edifício a pensar em quem atravessava o Tejo.

"Todo o corpo de obra é a antiga estação, que está a ser reconstruída na íntegra. Só estamos a acrescentar um volume de frente de rio, longitudinal, que servirá as unidades de passagem e de embarque. É uma intervenção muito pacífica. O gesto arquitectónico é da época, à excepção de uma nova construção, para oriente, para uso dos serviços técnicos da Transtejo", referiu Ana Costa.

A obra, que contará com um investimento de cerca de 26 milhões de euros, deverá ter o interface com o Metro operacional em Abril de 2011, embora, segundo informação da Transtejo, o projecto na sua totalidade só esteja concluído em Julho de 2012.

A Câmara Municipal de Lisboa também já preparou um esquema de paragem e circulação de transportes públicos e particulares na zona, de modo a facilitar as deslocações dos cidadãos.

“Todos os elementos que davam escala aos edifícios, os gradeamentos interiores, as lanternas típicas dos anos, tudo, segundo os desenhos originais do meu avô, serão repostos", garante a arquitecta.

No entanto, a gare manterá os serviços antigos, uma zona de comércio, a zona de comando da estação e uma pequena sala VIP. Numa outra zona, haverá um grande átrio, que garantirá o acesso ao metro.

De salientar que Ana Costa tem em mãos o projecto de reabilitação da gare desde 2001. “São 40 mil passageiros por dia a desembocar ali, numa obra do Metropolitano de Lisboa, que no seu interior permite acesso à Linha Azul do metro, criando um importante interface de transportes públicos que servirá os utentes das travessias do Tejo (Montijo, Seixal e Barreiro), explica o Público.

Em tempos, esta travessia chegou mesmo a ser considerada a mais importante, em termos europeus, pelo fluxo de passageiros movimentados entre as duas margens de rio.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Câmara de Almada quer expansão da rede do Metro Sul do Tejo


quinta-feira, 30 de Setembro de 2010 | 10:06 - Diário Digital

A Assembleia Municipal de Almada (CDU) aprovou uma moção que defende a expansão da rede do Metro Sul do Tejo (MST) e a inclusão do transporte no passe intermodal para aumentar o número de passageiros.

A moção, apresentada pelo Bloco de Esquerda e aprovada pela CDU, PS, BE e CDS-PP na última reunião realizada na quarta feira à noite, defende que «se passe rapidamente à segunda e terceira fases do projeto, que levará o MST aos concelhos do Barreiro e da Moita e às freguesias da Trafaria e da Costa da Caparica”, e que se inclua o MST no passe intermodal para diminuir os custos dos utentes.

Além disso, estabelece que se reclame «o entendimento entre os operadores de transportes da margem Sul do Tejo para que se crie um sistema integrado de transportes para atrair mais passageiros para o MST”.

A 15 de setembro, em declarações aos jornalistas, o secretário de Estado dos Transportes, Carlos Correia da Fonseca, afirmou que a segunda e terceira fases do projeto do Metro Sul do Tejo só vão poder concretizar-se quando o metro atrair mais passageiros.

O secretário de Estado afirmou que o Governo paga «bastante mais do que era previsto em indemnizações compensatórias».

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Telemóvel e multibanco substituem bilhete de transportes

DN Portugal - 23/09/2010

por LusaOntem
Telemóvel e multibanco substituem bilhete de transportes
Em breve, quem quiser viajar nos transportes públicos da capital poderá utilizar o telemóvel ou um cartão multibanco em vez do tradicional bilhete, com a ajuda de soluções tecnológicas apresentadas hoje em Lisboa.
Estas tecnologias, apresentadas na feira Portugal Tecnológico - que decorre até domingo na FIL, em Lisboa -, pretendem "revolucionar por completo o modelo tradicional de venda de títulos de transporte", permitindo entrar nos transportes públicos ao encostar o telemóvel ou um cartão de crédito ou débito ao validador ou porta de acesso, como actualmente se faz com os cartões Lisboa Viva e VivaViagem.

O desenvolvimento da aplicação destinada ao telemóvel envolve os operadores de transportes, através da OTLIS - Operadores de Transportes da Área Metropolitana de Lisboa, os três operadores de comunicações móveis nacionais -- Optimus, TMN e Vodafone - e a Oberthur Technologies, a empresa fornecedora de cartões Lisboa Viva e de cartões para telemóveis.

A tecnologia já foi testada num grupo de utentes pré-seleccionados do metropolitano de Lisboa, que ainda este ano a deverá disponibilizar ao público em geral.

Em 2011 será a vez de outros operadores, como a Carris e a CP, se associarem a este novo método.
Na prática, em vez de carregarem os cartões Lisboa Viva e VivaViagem, os utilizadores que tenham um telemóvel com a tecnologia Near Field Communication (NFC) podem "guardar" os títulos de transporte no cartão SIM, que serão carregados nos postos de venda.

Numa fase posterior, prevê-se que o utilizador nem sequer tenha de se deslocar às bilheteiras, porque será possível carregar o telemóvel através da Internet Móvel disponível em áreas específicas.

Se carregado, o telemóvel, mesmo que com a bateria descarregada, abrirá as portas do metro, ou dará luz verde ao utente dos autocarros e dos comboios.

Uma tecnologia semelhante deverá ser aplicada a cartões bancários, encontrando-se os operadores de transportes actualmente em negociações com instituições bancárias.

Nesta situação, destinada sobretudo aos passageiros ocasionais, não é necessário carregar o cartão bancário previamente, porque assim que o passageiro validar o cartão para aceder ao transporte o valor será debitado posteriormente na sua conta.

"É uma grande aposta na melhoria das condições para que todos os clientes rapidamente começarem a perceber que o transporte público é cada vez mais uma alternativa racional face ao transporte individual", afirmou à Lusa Luís Vale, diretor de comunicação e imagem da Carris.

http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1669508 

Câmara de Lisboa sugere rede de transportes em sítio próprio


9/24/2010 - Carris Lisboa

Lisboa poderá ter, dentro de uns anos, uma rede de Transporte Colectivo em Sítio Próprio (TCSP), se for aprovada a sugestão que a autarquia fez ontem na proposta de Plano Director Municipal (PDM).
De acordo com a agência Lusa, em cima da mesa estarão sistemas de eléctrico rápido, metro de superfície e trólei, que poderão ligar Algés à Praça da Figueira, Falagueira a Santa Apolónia, Cais do Sodré ao Parque das Nações, Algés a Alcântara, a Alta da Lisboa a Entrecampos, a Estação do Oriente a Sete Rios (via Avenida do Brasil), a Portela à Alta de Lisboa, a Alta de Lisboa a Benfica ou o Oriente a Sete Rios (via Bela Vista).

De acordo com a proposta de PDM, a Câmara de Lisboa reconhece os “condicionalismos de intervenção e participação” nos processos de planeamento das redes e modelos de exploração dos operadores de transportes da cidade, mas sublinha também que isso não deve impedir a autarquia de apresentar propostas para modelos que, na sua opinião, melhorem a sua estratégia de mobilidade.


Alias, a rede de TCSP deverá ser desenvolvida “em articulação com a expansão da rede do Metropolitano de Lisboa”.

Outro dos objectivos deste projecto visa “proteger bons padrões de serviço a zonas da cidade não cobertas pela rede estruturante de primeiro nível [metro e REFER]” ou a zonas que apresentem, ou venham a apresentar, “potenciais de procura que justifiquem a existência de um serviço de transporte de elevada qualidade”.

A tecnologia de transportes associada a esta rede “deve ser escolhida em função da ponderação de critérios claros e objectivos”. A saber: procura estimada, restrições físicas dos corredores e características específicas de cada solução tecnológica.

“A escolha da solução que melhor se adequa em cada caso deve ser antecedida da realização de estudos de procura e de análise custo-benefício que tenham em conta o conjunto da rede”, explica a CML, ainda que reconheça também que é muito difícil que esta esteja concluída no período temporal em que o PDM irá vigorar.
De acordo com o Censos 2001, dois terços das viagens em automóvel terminadas em Lisboa por motivos pendulares (emprego ou estudo) são realizadas por não-residentes.

Recorde também nestas notícias o mais recente projecto de Câmara da Amadora, o MetroBus.



quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Já pode navegar na Net à borla enquanto anda de autocarro



A nova frota da Carris oferece Internet grátis, através do serviço Net Bus - fruto de uma parceria com a TMN

 

(www.expresso.pt)
17:32 Quarta feira, 22 de Setembro de 2010

A Carris apresentou hoje os novos veículos articulados que disponibilizarão Internet grátis, num investimento de 11 milhões de euros.  

Os autocarros são equipados com o serviço Net Bus, fruto de uma parceria com a TMN, que  permite o acesso gratuito à Internet, a partir do computador ou telemóvel. 

"Este serviço estará disponível na carreira 36, que faz a ligação entre o Cais do Sodré e Odivelas e na carreira 745, entre Santa Apolónia e o Prior Velho", refere  a Carris em comunicado. 

Estes autocarros oferecem ainda ar condicionado, piso rebaixado, rampa de acesso para cadeira de rodas, indicadores de destino electrónicos, com tecnologia LED com iluminação multicolor, de acordo com a cor da zona onde a carreira opera e sistemas de vídeo-vigilância.

A renovação da frota da Carris visa diminuir os custos de manutenção  e, consequentemente, contribuir para a melhoria do resultado operacional da empresa.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Lisboa incentiva transporte limpo com ciclovia e internet nos ônibus


2 horas, 58 minutos atrás - Yahpp Notícias

Lisboa, 22 set (EFE).- A Prefeitura de Lisboa informou hoje, durante a comemoração do Dia Europeu Sem Carros, que pretende impulsionar entre seus habitantes o uso dos transportes limpos mediante a instalação de internet sem fio em seus ônibus urbanos e através da extensão das ciclovias.

O Secretário de Estado de Transportes de Portugal, Carlos Correia da Fonseca, apresentou hoje, junto aos responsáveis de uma empresa lisboeta de ônibus, novos veículos que permitirão o acesso livre à rede através de computadores e telefones celulares.

"O inimigo é o carro. Os transportes públicos não podem roubar clientes uns dos outros, mas precisam trabalhar em conjunto para resgatar usuários do transporte individual", explicou Fonseca.

A capital portuguesa, que registra elevados níveis de poluição, tem sérios problemas de tráfego e seus principais pontos de entrada e saída costumam registrar retenções quilométricas.

Durante as comemorações do Dia Europeu Sem Carros, a Prefeitura de Lisboa aproveitou também para lançar um plano através do qual a cidade contará com pelo menos 70 quilômetros para a circulação de bicicletas.

O vereador José Sá Fernandes, responsável por questões relacionadas a meio ambiente na Câmara de Lisboa, estimou que em 2011 as ciclovias estarão prontas, assim como o sistema de uso público de bicicletas, que já acontece em outras cidades.

Atualmente é possível percorrer em Lisboa 35,6 quilômetros em 22 trechos adaptados para o uso de bicicletas em diversas áreas da cidade e já existem 400 praças para estacioná-las. EFE 
 

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Aeroportos com menos passageiros, transportes públicos com mais


Inserido em 21-09-2010 - Renascença



Dados do Instituto Nacional de Estatística confirmam, por exemplo, a subida no Metro.

Os aeroportos portugueses sofreram uma quebra de um milhão de passageiros no ano de 2009, ou seja, menos 3,8% de passageiros do que no ano anterior, segundo dados do INE.

São perdas que - de acordo com o Instituto Nacional de Estatística - se devem à crise económica que se fez sentir, de forma acentuada, no ano passado.

Na semana da mobilidade, a Renascença olha para as preferências dos portugueses no que se refere a transportes: Os comboios da CP viajam cada vez mais vazios: nos últimos dois anos a empresa perdeu 5,85 milhões de passageiros, mas este não é um cenário comum. De acordo com os dados do INE, nos outros meios de transporte os passageiros são cada vez mais.

Os portugueses estão a andar mais de transportes públicos. Os números referentes a Abril, Maio e Junho demonstram isso mesmo: no segundo trimestre do ano, o número de portugueses a andar de Metro aumentou 4,6%.

Quanto aos barcos, o aumento verificado é de 1%.

http://www.rr.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=92&did=120936 

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Carris comemora 138 anos: Como tudo começou?

9/20/2010 - Carris

A Carris celebrou no passado dia 18 de Setembro o seu 138º aniversário e Rafael Santos, guarda-freio da Carris, decidiu partilhar com o Menos um Carro a história da empresa. No seu blogue – Diário do Tripulante – conta-nos na primeira pessoa como tudo começou.
 
“A Carris está de parabéns! Hoje completa 138 anos de existência. Uma longa história que só é possível ser contada graças a si que é passageiro/a da Carris e graças aos trabalhadores, quer sejam tripulantes ou não. Todos juntos fazemos a história de uma empresa que em 18 de Setembro de 1872 foi fundada no Rio de Janeiro”, refere o guarda-freio da Carris, no seu blogue.

Segundo Rafael Santos, a empresa encontra-se intimamente ligada ao desenvolvimento da cidade de Lisboa tendo, ao longo do tempo, procurado responder às necessidades de mobilidade dos cidadãos.
A Companhia Carris de Ferro de Lisboa “trouxe para a capital portuguesa um sistema de transporte público que começou com o americano, seguindo-se os eléctricos e os autocarros”, acrescenta no blogue. O chamado sistema americano consistia em carruagens movidas por tracção animal que se deslocavam sobre carris.
Um ano depois da empresa ter sido fundada, mais concretamente a 17 de Novembro de 1873, é oficialmente inaugurada a primeira linha de "americanos" entre a Estação da linha Férrea Norte e Leste (em Stª. Apolónia) e o então extremo Oeste do Aterro da Boa Vista (em Santos).

A partir daqui, a empresa continuou a sua expansão com a total electrificação da rede então existente, o aparecimento de novas carreiras e o crescimento da frota com carros inicialmente adquiridos nos Estados Unidos e, a partir de 1924, construídos nas oficinas da Empresa

“Depois dos Americanos vieram os Eléctricos a 31 de Agosto de 1901 e seguiram-se depois os autocarros nos anos 60 com os primeiros a serem adquiridos para serviço à Exposição Mundial que se realizou em Belém. Ao longo dos anos, construíram-se novas estações, e apostou-se fortemente na renovação da frota o que fez com que a Carris fosse certificada em 2006”, conta Rafael Santos.

Apesar da melhoria do serviço prestado, o guarda-freio da Carris revela ainda que “gostava também de ver uma maior aposta nos eléctricos, porque na verdade são eles o ponto de partida da Carris”. E termina com uma sugestão: “fique a conhecer melhor a empresa e as pessoas que o transportam diariamente, no autocarro que apanha para chegar ao trabalho ou no eléctrico que o faz chegar à escola”.

Vale a pena ler, na íntegra, o post de Rafael Santos no seu blog Diário do Tripulante

http://www.menosumcarro.pt/Default.aspx?tabid=75&itemId=816&g=229c38b3-aa39-4f85-a211-65941c0f2a33&utm_source=menosumcarro&utm_medium=twitter 

sábado, 18 de setembro de 2010

Governo anula concurso da linha do TGV Lisboa-Poceirão


Lisboa, 17 set (Lusa) -- 

O Governo anulou o concurso público relativo à construção da linha do Transporte de Grande Velocidade (TGV), no troço Lisboa-Poceirão, segundo um despacho publicado hoje em Diário da República.

A decisão é justificada com a "significativa e progressiva degradação da conjuntura económica e financeira" de Portugal, situação decorrente da "grave e conhecida crise financeira mundial".

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Nova frota de 30 autocarros da Carris permite ‘viajar pelo mundo’ A Carris apresentou hoje um dos 30 autocarros da nova frota com características técnicas inovadoras, que se traduzem em transportar «todos» com comodidade, e que possuem Internet, para os passageiros «viajarem pelo mundo»


A Carris apresentou hoje um dos 30 autocarros da nova frota com características técnicas inovadoras, que se traduzem em transportar «todos» com comodidade, e que possuem Internet, para os passageiros «viajarem pelo mundo»
 


Nova frota de 30 autocarros da Carris permite ‘viajar pelo mundo’
José Manuel Silva Rodrigues, presidente da Carris, apresentou à agência Lusa o novo autocarro, equipado com «sistema wi-fi grátis da TMN», como uma referência «técnica inovadora», que permite ao utente, através de «computador ou telemóvel», durante o percurso que está a efectuar, viajar via Internet por «qualquer parte do mundo».
O gestor ressalvou que «as viaturas traduzem uma maior comodidade, conforto e segurança para todos os passageiros, tendo em atenção as características pessoais que nos separam».
Deu como exemplo as rampas de acesso a cadeiras de rodas e o dispositivo de segurança que existe dentro do veículo, que têm como objectivo «dar a todos os clientes, não esquecendo os que são diferentes, igualdade de circunstâncias, para uma melhor mobilidade».
Para imobilizar a viatura existe um botão, devidamente identificado, que, ao ser pressionado, o visor «sinaliza por escrito e com voz» o local onde o autocarro se encontra.
Também a «aplicação de uma placa com leitura Braille para cidadãos invisuais e com baixa visão» está já colocada nas paragens dos autocarros.
A informação por SMS ao minuto, que permite aos clientes com necessidades “diferentes” a consulta dos tempos de espera dos veículos nas paragens através do seu telemóvel, «já está activada».
São ainda «disponibilizados cd’s» com a descrição áudio do percurso de carreiras acessíveis, preparadas para o «transporte de passageiros de mobilidade reduzida, dando a indicação das paragens e respectivos interfaces», explicou o director.
A empresa disponibiliza também mapas de consulta rápida (spider maps) nas paragens Carris.
No entanto, o gestor não deixou de lembrar que a empresa teve em «grande consideração o ambiente» e que a aposta foi também oferecer transportes menos poluentes. «Os motores são o que existe de mais moderno a nível de protecção ambiental», afiança.
O presidente sublinhou  que «só no dia 22 de Setembro a CARRIS apresentará publicamente, junto à Gare do Oriente, a nova frota de 30 autocarros articulados, que a empresa recepcionou durante o ano de 2010».
Falou dos custos e do endividamento que o «accionista Estado» permitiu à empresa junto da banca para a aquisição das viaturas e ressalvou que «todas estas melhorias representam um investimento, menor custo de manutenção e maior fiabilidade».
«Investimento em qualidade é uma aposta em captar novos clientes para os transportes públicos», vincou, numa altura em que a Carris comemora o seu 138.º aniversário.
A comemoração do aniversário, que se assinala no dia 18, inclui também um conjunto de iniciativas que coincidem com a Semana Europeia da Mobilidade, que decorre entre 16 e 22 deste mês.
José Rodrigues mostrou-se «muito receptivo» a todo o tipo de iniciativas que facilitem a vida de «todos» os transeuntes. 

Lusa / SOL

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Transportes: querem acabar com os passes sociais



Estado está a dever dinheiro às empresas e estas dizem que não vão continuar a suportar os descontos 

Por: Redacção / PGM  |  05- 08- 2010  08: 30 - TVI 24

As empresas de transporte estão a ponderar acabar com os passes sociais, afirmou o presidente da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Pesados de Passageiros (ANTROP), Luis Cabaço Martins, à «Sábado».
A ameaça parte de quatro empresas do sector (Rodoviária de Lisboa, Transportes Sul do Tejo, Vimeca e Scotturb) e pode concretizar-se já nos próximos dias se o Governo não encontrar uma solução para os cerca de 15 milhões de euros devidos pela venda dos passes sociais de 2009 e 2010.
Se a ameaça se concretizar, estes passes deixarão de ser vendidos aos passageiros que diariamente viajam nas transportadoras privadas da Grande Lisboa.
«Estamos a vender passes desde Janeiro de 2009 sem a devida compensação», disse o responsável.
Além do pagamento em falta relativo aos passes sociais, há ainda a dívida relativa aos passes 4-18, criados em Setembro de 2008 para crianças e jovens, e aos sub-23, que se vendem desde Setembro de 2009 e se destinam aos alunos do ensino superior. A ANTROP estima que a dívida vá já nos 7,5 milhões de euros.
«É uma situação peculiar: vendemos passes com 5% de desconto e não somos ressarcidos dessa percentagem, como foi acordado com o Governo», conclui.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Terrenos atrasam ciclovia

00h59m - 02/08/2010
EMÍLIA MONTEIRO - Jornal de notícias

A ciclovia que atravessa nove freguesias do município de Braga, na margem do rio Cávado, pode não estar concluída em 2013. Alguns proprietários oferecem os terrenos mas outros querem que a Câmara Municipal de Braga os pague.

"Se a Câmara está a pagar terrenos a algumas pessoas porque é tenho que dar o meu de graça", disse ao Jornal de Notícias o proprietário de um terreno, na margem do rio Cávado, na freguesia de Crespos, em Braga. Em causa está o projecto de “Preservação e Requalificação Ambiental e Urbana da Margem Esquerda do Rio Cávado” que a Câmara de Braga quer ver concluído em 2013.Em nove freguesias, desde Crespos a Padim da Graça, Mesquita Machado, o autarca bracarense, quer construir, em toda a margem do rio, ciclovias, passeios para peões e estruturas de apoio como bancos, passadiços e espaços para pequenos bares.O primeiro troço, em S. Paio de Merlim, custou 230 mil euros e foi inaugurado na passada semana, ligando a praia fluvial de S. Paio ao limite da freguesia de Mire de Tibães. “Agradeço a disponibilidade dos proprietários dos terrenos”, referiu, na altura, Carmindo Soares, o autarca da CDU que gere os destinos de S. Paio de Merlim.Mesquita Machado está consciente de que o avanço da construção de uma faixa para bicicletas e peões ao longo da margem esquerda do Cávado depende dos donos dos terrenos.  O presidente da Câmara quer deixar a obra feita quando terminar o mandato. Mas não parece fácil. “O presidente da junta já falou comigo sobre o terreno mas, ou são todos dados, ou todos vendidos. Não pode haver aqui terrenos oferecidos e terrenos comprados”, salientou o mesmo proprietário que não quer ser identificado.Os autarcas das nove freguesias envolvidas estão a negociar os terrenos junto ao rio e Mesquita Machado aceita que “pontualmente, seja necessário pagar indemnizações”. “É fundamental a disponibilidade dos donos dos terrenos em fazerem cedências”, disse o autarca socialista.A margem esquerda do rio Cávado é uma preocupação da Câmara que quer construir uma zona de lazer para peões e ciclistas. Numa segunda fase, depois da ciclovia concluída, será a vez de fomentar uma rede de parques de estacionamento, parques de merendas e praias fluviais.


http://jn.sapo.pt/paginainicial/pais/concelho.aspx?Distrito=Braga&Concelho=Braga&Option=Interior&content_id=1631981

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Fertagus conseguiu retirar 20 mil veículos da Ponte 25 de Abril


7/29/2010 - Carris (Lisboa)



A Fertagus, empresa do Grupo Barraqueiro concessionária da gestão e exploração da linha ferroviária do Eixo Norte/Sul, que inclui a travessia do Tejo através da Ponte 25 de Abril, celebra hoje o seu 11º aniversário e faz um balanço positivo da sua actividade.

Segundo o Destak, nos últimos 11 anos, a Fertagus transportou 180 milhões de passageiros, que “expressam um nível de satisfação de 4,5 numa escala de 1 a 5” e evocam os valores da eficiência, confiança, inovação e estabilidade para justificar a sua preferência.
Só em 2009, a Fertagus transportou, em média, 85 mil passageiros por dia, apresentando desde o início da concessão um crescimento de 2% e conseguindo retirar 20 mil veículos da Ponte 25 de Abril devido à possibilidade de atravessá-la de comboio.

No futuro, a Fertagus espera constituir-se como a primeira empresa de serviço ferroviário a apresentar auto-sustentação económica e aprofundar o Sistema de Gestão de Qualidade e Segurança. Além disso, a empresa pretende também melhorar a integração do serviço com o Metro Sul do Tejo, cuja gestão e exploração também é da sua responsabilidade.
De salientar ainda que a empresa anunciou recentemente ter aumentado o valor entregue ao Estado pela gestão e exploração da linha ferroviária do Eixo Norte/Sul em 2009, decorrente do excedente de receitas, que atingiu os dois milhões de euros.

Veja o vídeo sobre os comboios da Fertagus.

http://www.menosumcarro.pt/Default.aspx?tabid=75&itemId=730&g=f95256a7-7b9e-4219-8dde-c73fdee4a3aa&utm_source=menosumcarro&utm_medium=twitter

Primeiro troço de TGV arranca em Setembro



00h16m

CATARINA CRAVEIRO - Jornal de notícias
O ministro das Obras Públicas reiterou, ontem, que as obras do troço de alta velocidade Poceirão-Caia, na ligação Lisboa-Madrid vão arrancar em Setembro.
Em Portugal, o TGV avança de forma mais lenta do que em Espanha, mas António Mendonça mantém o compromisso: "Estamos ligeiramente mais atrasados, porque temos uma metodologia diferente: duas grandes parcerias público-privadas".
É preciso, diz, "recuperar o atraso que existiu na ligação entre Portugal e Espanha. Estamos a trabalhar para isso".
António Mendonça assistia aos testes de carga no viaduto de Alcazaba, naquele que é o primeiro teste da linha de alta velocidade na Extremadura. O viaduto tem uma extensão de 130 metros de comprimento e está inserido na linha de alta velocidade programada para o tráfego misto. O teste de carga estático consistiu em colocar no tabuleiro do viaduto 12 camiões, cada um com 40 toneladas (juntos reflectem o peso do TGV). Não há ainda por ali sinais de linha construída, mas a ponte não caiu, o que prova que a infra-estrutura aguenta o peso da alta velocidade.
Este tipo de testes são obrigatórios em qualquer estrutura do género antes da sua abertura ao tráfego e permitiu comprovar a adequada concepção do viaduto.
Quanto à terceira travessia sobre o Tejo, António Mendonça explicou que o modelo de financiamento teve de ser revisto, devido à crise internacional, mas a intenção é avançar com os projectos, agora suspensos, "o mais rapidamente possível".

Serpa vai ter autocarro eléctrico a partir de Setembro


Radio Pax - 29/07/2010


A autarquia de Serpa está a reforçar o investimento na mobilidade sustentável. A partir de Setembro, a cidade alentejana vai contar com um circuito de bicicletas, disponibilizadas gratuitamente à população, em três pontos distintos na localidade.

Além disso, na mesma altura começa a circular um miniautocarro eléctrico, que a câmara já adquiriu. A data escolhida coincide com a Semana Europeia da Mobilidade, de 16 a 22 de Setembro, uma iniciativa que Serpa já tem por hábito assinalar.

As explicações do vereador Tomé Pires. O autarca revela ainda que já está concluído o concurso para adjudicação da obra para a ciclovia que vai ligar Serpa ao Guadiana. A pista, com uma extensão de cerca de oito quilómetros, vai incluir ainda outros equipamentos, como um parque fluvial.

A obra vai permitir “aproveitar todas as potencialidades da ligação de Serpa ao rio, entre a paisagem rural e urbana”, e deve estar concluída ainda no final deste ano, ou no início de 2011, avança Tomé Pires.

A autarquia de Serpa quer sensibilizar os munícipes para a utilização da bicicleta como meio de transporte alternativo para garantir os objectivos ambientais do Plano de Mobilidade Sustentável.



http://www.radiopax.com/noticias.php?go=noticias&id=9756&d=noticias

quarta-feira, 28 de julho de 2010

“O Metro será uma realidade na Trofa” (Porto)


Versão para impressãoEnviar por E-mail
Edição 279 - O Notícias da Trofa
Publicado por Isabel Moreira Pereira   
Domingo, 25 Julho 2010 10:00
Joana Lima, presidente da Câmara Municipal da Trofa, está confiante de que a obra do Metro vai avançar. As notícias que surgiram recentemente na comunicação social que davam conta do possível adiamento da empreitada, motivaram uma reacção do executivo camarário trofense.
"O metro será uma realidade na Trofa". Esta é a convicção de Joana Lima e do restante executivo camarário que esta sexta-feira anunciaram, em conferência de imprensa, a convicção de que "o Governo e a empresa Metro do Porto vão cumprir com o prometido".
"Reuni, enquanto presidente da Câmara Municipal da Trofa, na semana passada, com o senhor Secretário de Estado dos Transportes, Dr. Carlos Correia da Fonseca, e com o senhor Presidente do Conselho de Administração e Presidente da Comissão Executiva da Empresa Metro do Porto, Dr. Ricardo Fonseca, justamente sobre esta matéria da construção da linha do Metro até à Trofa, e ambos me asseguraram e me deram garantias que a obra do Metro é para avançar", afirmou.
Consciente de que "o país enfrenta desafios muito exigentes, sobretudo em matéria de finanças públicas", Joana Lima não ignora que "na Trofa está criada uma dinâmica de crescimento e de desenvolvimento, que nem a pesada crise que o país vive poderá derrotar". Quando questionada sobre se está disposta a contrariar o Governo para que a obra do Metro chegue à Trofa, a edil prometeu não abdicar dos direitos dos trofenses. "Este executivo não está contra ninguém, mas sim a favor de todos os trofenses, estaremos na linha da frente na defesa dos trofenses, não querendo estar contra ninguém, mas sim a favor de causas, de princípios e de direitos que todos nós adquirimos, nomeadamente na questão do Metro", afirmou.
Joana Lima não deixou de mencionar as obras que considera fundamentais para garantir a qualidade de vida de todos os trofenses. "Estamos optimistas, pois sabemos que o relançamento económico de Portugal tem que ser feito por via do investimento público e, em tudo o que depender de nós, a Trofa estará no centro desse investimento, e o Metro, as variantes, a requalificação urbana da zona central da cidade, a criação do Parque das Azenhas e a construção dos Paços do Concelho serão uma realidade em breve", adiantou.
No entanto, Joana Lima sabe que se a obra do Metro não começar, a requalificação urbana dos Parques Sr.ª Das Dores e Dr. Lima Carneiro pode estar comprometida e, por isso, garante que a Trofa não vai abdicar "da obra do Metro e da regeneração urbana". Esta obra implicará um investimento "de 10 milhões de euros", sendo que "80 por cento (do financiamento) será a fundo perdido" e estará concluída em 2012.
Com o avanço desta obra, a autarquia vai ter de encontrar outro espaço para realizar a ExpoTrofa.
O executivo municipal "tem já um conjunto de locais que podem servir de palco para o certame", mas a edil preferiu não avançar com nenhuma localização.
Para os murenses, que viram o comboio sair dos carris da freguesia há quase dez anos e que anseiam a vinda do metro, Joana Lima deixou ainda uma palavra de conforto: "Aos moradores do Muro o que lhes digo é que confiem, pois estamos a fazer tudo o que é possível para alcançar os objectivos".

Assembleia Metropolitana do Porto exige expansão da rede do metro
Esta segunda-feira a Assembleia Metropolitana do Porto exigiu o avanço imediato da segunda fase da rede do Metro, avançou a Lusa. A posição surge menos de uma semana depois de a presidente da Câmara da Trofa, Joana Lima, ter realizado a conferência de imprensa onde dá garantias do avanço da empreitada para o concelho.
Os planos de expansão da rede de ;etro do Porto incluem o prolongamento da Linha C (Linha Verde) entre o ISMAI (Maia) e Paradela (Trofa).
"É um investimento público da maior importância para o desenvolvimento da Área Metropolitana e não deverá sofrer novos adiamentos, nomeadamente a linha da Trofa", sublinha uma moção da CDU, aprovada pelo órgão deliberativo metropolitano.
Na moção aprovada pela Assembleia Metropolitana, reclama-se ainda ao Governo que adopte as medidas necessárias para atenuar a situação de endividamento da empresa Metro do Porto, "de forma a evitar bloqueamentos futuros".